quarta-feira, 27 de maio de 2015

Muro

    guarde no muro
    a marca do flanco
    que o amor dorme na praça
    e a mão que acerta a textura
    sutura e surta
    extravasa o rejunte
    -cada uma das pedras.

   guarde no muro 
   o som dos fluidos
   que o suspiro acorda em graça
   e o joelho que verticaliza a envergadura
   dura e corta
   vasa da pele
   -cada um dos poros.

  guarde no muro
  as digitais alteradas
  que o desejo arde de graça
  e a língua que aparta a mistura
  tritura e parte
  condensa o lóbulo
 -cada um de nós. – JL

Um comentário: